Da esquerda para a direita: Eugênio Lima, Dione Carlos, Luis Fernando Peixoto e Saloma Salomão. Fotos: Sérgio, Lilian Dias, Jorge Louraço.

O horizonte negro do teatro

Nesta entrevista, CENA ABERTA ouviu quatro artistas que se tornaram referência no contexto da cena negra paulistana: a dramaturga Dione Carlos, o diretor Eugênio Lima, o diretor e dramaturgo José Fernando Peixoto de Azevedo e o ator e educador Saloma Salomão. Tal cena não é, evidentemente, uma novidade histórica, mas uma ocupação dos palcos em novas bases – na emergência das questões identitárias e questionadoras dos lugares de classe. Em geral politizada, essa cena avoluma-se, marca posição, pauta a discussão e procura inventar os termos próprios do discurso estético.

Leia mais

A categoria é… Pose!

Convidamos para escrever sobre estas e outras questões da série, a dramaturga Ave Terrena e o ator e dramaturgo Ronaldo Serruya. Pose é como um resumão de questões caras à vida trans nas últimas décadas, mas preparado com delicadeza, humor e coragem. Ainda que não seja uma experiência inovadora com a linguagem, é impossível não se deixar cativar pelas idas e vindas, terríveis, felizes, melancólicas ou francamente idealizadas de Blanca (MJ Rodriguez), Elektra (a maravilhosa Dominique Jackson) e os seus e as suas.

Leia mais
Luis Mármora em Gardênia. Foto: João Maria

Gardênia celebra o amor que sabe esperar

Se em geral nos romances de García Marquez é o dado local e histórico que, cruzado com o mito, remete às generalizações poéticas em que se assenta o realismo sui generis que popularizou o autor, neste romance, O amor nos tempos do cólera, parece acontecer o inverso. Sem perder de vista o contexto histórico (os “tempos do cólera” em uma cidade latina no século XIX) é a mitologia pessoal que ilumina e dá perspectiva ao entorno. A percepção fina desta inversão é o que parece mover a dramaturgia de Gardênia, assinada por Ana Roxo. A incisão feita no romance extrai dele, e de uma maneira intencionada, a linha mestra que no espetáculo aparece recortada: a relação resistente entre Florentino Ariza e Fermina Daza e a cronologia de um amor em tempo de espera. Todo o resto, do ambiente às outras personagens, é aproveitado em apoio a este eixo.

Leia mais

“O amor exala o perfume da utopia” – Entrevista com Luis Mármora

Uma narrativa sobre a paixão resistente, O amor nos tempos do cólera (1985), de Gabriel García Marquez,conta sobre um casal – personagens inspirados nos pais do autor – que se conhece e se relaciona através de cartas em uma cidade caribenha na passagem do séc. XIX para o XX. Um telegrafista, a filha de um comerciante. Separados, guardam-se por mais de cinquenta anos até o reencontro na maturidade. Adaptado para o teatro pela dramaturga Ana Roxo e representado por Luis Mármora e Cybele Jácome, com direção de Marat Descartes, o espetáculo Gardênia é uma bonita encenação, com longevidade também fora da ordem. Completa agora dez anos em repertó

Leia mais

Cena Aberta chegando!

Estamos lançando neste momento o Cena Aberta – teatro, crítica e política das artes. Trata-se de um mirante de onde se pode ver o panorama da cultura. Um site no qual se pretende publicar crítica cultural, com foco no teatro e nas políticas públicas que envolvem as artes.

Leia mais