Da esquerda para a direita: Eugênio Lima, Dione Carlos, Luis Fernando Peixoto e Saloma Salomão. Fotos: Sérgio, Lilian Dias, Jorge Louraço.

O horizonte negro do teatro

Nesta entrevista, CENA ABERTA ouviu quatro artistas que se tornaram referência no contexto da cena negra paulistana: a dramaturga Dione Carlos, o diretor Eugênio Lima, o diretor e dramaturgo José Fernando Peixoto de Azevedo e o ator e educador Saloma Salomão. Tal cena não é, evidentemente, uma novidade histórica, mas uma ocupação dos palcos em novas bases – na emergência das questões identitárias e questionadoras dos lugares de classe. Em geral politizada, essa cena avoluma-se, marca posição, pauta a discussão e procura inventar os termos próprios do discurso estético.

Leia mais

“O amor exala o perfume da utopia” – Entrevista com Luis Mármora

Uma narrativa sobre a paixão resistente, O amor nos tempos do cólera (1985), de Gabriel García Marquez,conta sobre um casal – personagens inspirados nos pais do autor – que se conhece e se relaciona através de cartas em uma cidade caribenha na passagem do séc. XIX para o XX. Um telegrafista, a filha de um comerciante. Separados, guardam-se por mais de cinquenta anos até o reencontro na maturidade. Adaptado para o teatro pela dramaturga Ana Roxo e representado por Luis Mármora e Cybele Jácome, com direção de Marat Descartes, o espetáculo Gardênia é uma bonita encenação, com longevidade também fora da ordem. Completa agora dez anos em repertó

Leia mais