Da esquerda para a direita: Eugênio Lima, Dione Carlos, Luis Fernando Peixoto e Saloma Salomão. Fotos: Sérgio, Lilian Dias, Jorge Louraço.

O horizonte negro do teatro

Nesta entrevista, CENA ABERTA ouviu quatro artistas que se tornaram referência no contexto da cena negra paulistana: a dramaturga Dione Carlos, o diretor Eugênio Lima, o diretor e dramaturgo José Fernando Peixoto de Azevedo e o ator e educador Saloma Salomão. Tal cena não é, evidentemente, uma novidade histórica, mas uma ocupação dos palcos em novas bases – na emergência das questões identitárias e questionadoras dos lugares de classe. Em geral politizada, essa cena avoluma-se, marca posição, pauta a discussão e procura inventar os termos próprios do discurso estético.

Leia mais